SOBRE

MEU CLUBE DO INGLÊS: PORQUE INGLÊS COM AMIGOS É MAIS DIVERTIDO

 

Hello!

 

Eu sou o Cleydson Barbosa e você…

 

Seja muito bem vindo ao Meu (e Seu) Clube do INGLÊS!

 

Um Clube de Inglês para chamar de seu.

 

Um lugar para aprender onde quer que você esteja.

 

Um tempo para aprender quando você quiser.

 

Um investimento para aprender independente de quanto você tenha.

 

Uma EEEscola.

 

Isso mesmo. Com 3 letras “E”:

 

Pois o nosso objetivo é:

 

Educar,

Entreter e

Engajar

 

Deveria ser 4, né? Eheheh (agora 7)…

 

Não.

 

Não está errado.

 

Eu sei que, à primeira vista, o mais adequado deveria ser “os nossos objetivos são”.

 

Mas no Meu Clube do INGLÊS, nós queremos ajudar você a desenvolver o seu conhecimento (Educar) de forma lúdica (entreter) dentro de uma comunidade (engajar).

 

Porque aprender Inglês com amigos é mais divertido!

 

Então, se você quer aprender (e compartilhar o seu conhecimento) enquanto se diverte e faz amigos que têm os mesmos objetivos que você, esse é o seu lugar!

 

O Seu Clube do INGLÊS.

 

Pois tudo aqui é feito com muito amor e carinho para chegar da maneira mais simples, rápida e divertida para o nosso maior interessado: você.

 

 

VEJA A SEGUIR O QUE O MEU CLUBE DO INGLÊS PODE FAZER POR VOCÊ

 

 

 

Tenha resultados como o David:

 

 

 

A Cíntia:

 

 

 

O Gabriel:

 

 

 

A Sara:

 

 

 

O Fábio:

 

https://www.youtube.com/watch?v=u8nO9SDX_Pw

 

 

O Cristian:

 

 

 

E muitos outros que você ainda vai encontrar na comunidade do Meu Clube do INGLÊS.

 

É para isso que estamos aqui.

 

Porque, para nós, aprender junto é bem mais legal.

 

Além da força que um grupo tem diante das adversidades.

 

Porque, se um cair, o outro levanta o seu companheiro;

 

E, se alguém prevalecer contra um, os dois lhe resistirão; e o cordão de três dobras não se quebra tão depressa (Eclesiastes 4:10,12).

 

Eu acredito categoricamente que com o poder do Inglês e acesso à internet, não há barreiras que impeçam você de conseguir qualquer coisa – eu disse qualquer coisa – que você realmente quer ou precisa.

 

Suas maiores dores e seus maiores desejos.

 

Tudo está aí:

 

Na internet e em Inglês.

 

E eu, Cleydson Barbosa, abracei a missão de fazer uso da rede mundial de computadores para dar empoderamento àqueles que buscam ser melhores a cada dia e formar uma comunidade sólida.

 

Uma resistência.

 

Dentro de um sistema (do qual eu também por muito tempo fui vítima), no qual a diferença social gera tantos problemas, como a violência e a sensação de impotência tão recorrentes a solução é uma só: Educação.

 

Entre agora mesmo você também para essa causa e ajude a construir um país e, por consequência, um mundo muito melhor!

 

 

 

 

 

Venha fazer a diferença.

 

Venha ser a diferença.

 

Se eu consegui, você certamente também conseguirá.

 

Especialmente hoje. Com tantos recursos com os quais, quando comecei, eu não podia sequer sonhar que poderia vir a ter um dia.

 

Pois ao contrário do que muita gente pensa, eu não tive muitos privilégios para conseguir chegar onde estou agora.

 

 

COMO CHEGUEI AO MEU CLUBE DO INGLÊS

 

 

E se nesse momento você já está começando a se sabotar, pensando que com você não é possível, porque você não tem tempo… Porque você não tem dinheiro… Porque você não tem idade… etc. etc. etc.

 

Saiba que apesar de hoje eu já ter ensinado alunos que hoje são excelentes professores de Inglês e ajudar pessoas que até já estão no exterior e precisam se comunicar em Inglês no dia a dia, nem sempre foi assim…

 

Na verdade, eu posso dizer sem qualquer medo de errar que se você está vendo isso agora, mesmo se nesse exato momento você considerar que não sabe absolutamente nada de Inglês, eu garanto: você certamente está numa condição bem melhor do que a minha quando eu comecei.

 

Pode ser que você esteja pensando: “Mas Cleydson… Eu estudei a minha vida inteira numa escola pública e os professores lá só iam para tapar buraco, isso quando iam!”.

 

Pois eu também estudei a vida inteira em escola pública e no ensino médio eu cansei de ver a minha escola na mídia por falta de recursos, para você ter uma ideia, se algum aluno de lá perguntasse pela merenda ouvia uma risada do diretor na época.

 

Pode ser que você pense: “Mas eu não tenho dinheiro algum sobrando” ou pior “eu estou desempregado e eu não sei nem como é que estou conseguindo ter minhas contas pagas, se é que estão”.

 

Pois saiba que nessa mesma escola que eu estudava, muitas vezes para a professora não reclamar novamente que eu não estava copiando, eu pedia emprestada a um colega, o Marcio Messas, uma das cargas da caneta dele de 3 cores.

 

Um dos momentos que tive mais vergonha quando eu ganhei uma caneta dessas baratinhas, e, sem querer, uma colega que estava fazendo um trabalho comigo levou para casa e depois fui à casa dela pegar essa caneta, totalmente sem graça. Até hoje eu lembro a expressão no rosto dela por causa da questão que eu fazia por causa de uma caneta…

 

Aí você pode pensar: “Ok, Cleydson! Já entendi que você não tinha dinheiro nem recursos para ter uma boa educação, mas você deve ser um desses gênios que pegava as coisas com muita facilidade e só tirava nota 10!”.

 

Olha… Você não faz ideia de como eu gostaria que isso fosse verdade!

 

Para ser sincero, sim, eu realmente gostava de estudar e sabia importância disso, mas de varar muitas e muitas noites estuando enquanto todo mundo estava dormindo, eu nem de longe era o que tirava as melhores notas!

 

Apesar do meu interesse genuíno em aprender, eu tinha uma dificuldade muita grande em me concentrar naquilo que era passado em sala de aula. E muitas vezes eu tinha que encarar a minha mãe decepcionada quando ia olhar os meus cadernos e dificilmente tinha alguma anotação completa que eu não conseguia anotar e prestar atenção na aula.

 

Fora que, por alguma razão que até hoje não sei qual é, apesar de um esforço monstruoso que eu fazia para ser aceito pelos meus colegas (coisa que hoje eu não teria feito do mesmo jeito), acredite… Eu passava todos os dias por agressão física e psicológica, sendo humilhado dentro de fora da sala de aula por outros alunos e muitas vezes chegava em casa escondendo as marcas das surras que levava na rua.

 

E o pessoal lá de casa, apesar de querer o meu bem, não admitia quando eu chegava apanhado da rua. Além de todo o trabalho que eu dava com a minha “demência” típica, as noites que eu passava acordado, e uma série de coisas que não cabem aqui.

 

Eu só achava que havia alguma coisa errada comigo!

 

Eu não fazia nada direito!

 

Achava que não me encaixava em lugar algum e não tinha perspectiva alguma para a minha vida.

 

Era aí que eu tinha um grande refúgio na igreja.

 

E eu quero deixar bem claro que eu não vou falar de religião, mas sem entrar em qualquer mérito ideológico, lá eu me sentia acolhido. Aceito. E vi que, apesar de tudo, havia pessoas que acreditavam em mim e queriam extrair o melhor me ajudando a desenvolver os meus dons e talentos.

 

Enfim… As pessoas da minha família que sempre fizeram tudo por mim, as pessoas na escola que estavam comigo e essas pessoas na igreja que me ajudaram a ter fé… Foi graças a essas pessoas que eu não desisti de vez de mim mesmo!

 

Foi aí que um senhor de lá da igreja – o Chico, alguém já idoso que vivia sozinho mas que ainda tinha muita sede por aprender e ensinar, fez algo que mudou a minha vida completamente!

 

 

Ele via o esforço que eu fazia para estudar e tentar aprender as coisas sozinho, e resolveu deixar comigo a sua biblioteca de Inglês!

 

E veja bem, naquela época, eu não tinha computador nem um velhinho que fosse, não tinha internet nem que fosse 3G, não tinha smartphone, enfim…

 

Coisas que você provavelmente vê como parte do seu dia a dia, para mim era algo totalmente fora de cogitação!

 

Mas tudo aquilo estava prestes a mudar à partir daquele gesto do Chico que, é claro, eu não aceitei de prontamente!

 

Aquilo era, praticamente, tudo o que ele tinha.

 

E, fora a igreja, era a isso que ele se dedicava: estudar Inglês.

 

Como eu poderia tirar isso dele?

 

Mas ele me convenceu de que já havia feito muito bom uso daquilo, e agora eu também podia fazê-lo e, assim como ele estava fazendo por mim gostaria que eu pudesse fazer por outros. Passar o legado adiante.

 

Após muita recusa. Eu aceitei.

 

E mergulhei em cada página.

 

Ouvi as fitas cassete (que acompanhavam os fascículos) até que os mesmos enrolassem no toca fitas.

 

E após muitas noites em claro (como essa que estou a escrever) e a falta de condições ideais de estudo, eu ajudei Rafaelle (da igreja) a se comunicar com um norte americano.

 

Após isso ela me perguntou qual curso de Inglês eu havia feito.

 

Expliquei que estudava com os livros do Chico.

 

E, cerca de uma semana depois, fui convidado a trabalhar no Britanic – uma das melhores e mais respeitadas redes de ensino de idiomas do Recife – a trabalhar lá em troca de uma bolsa de estudos. Após o convite eu me lembrei que Rafaelle trabalhava lá e soube que ela havia me indicado para o cargo de monitor.

 

Lá fui chamado para trabalhar diretamente com o presidente da rede, Paul Ashton, em seu escritório e fui treinado pelo próprio (com ajuda da Patrícia e Gleyce) e apoio da sua família (filhos e esposa – parceiros no negócio), além da coordenadora (na época) Ana Valéria que acreditava muita que eu tinha vocação para ser um grande professor.

 

Fiz os melhores treinamentos para instrutores de Língua Estrangeira e tive o maior apoio do professor Justin (uma das maiores estrelas de lá).

 

Assim, com uma pitada de teatro e dança (que eu me dedicava paralelamente), comecei oficialmente a minha carreira como professor de Língua Estrangeira.

 

E encurtando o resto da história, veio faculdade de Letras, Cultura Inglesa… minha primeira escola – Wide Idiomas, que abri com Juarez Queiroz; faculdade de Publicidade; American Family Language Academy, escola que assumi com James e Cristina Madden.

 

E graças ao Inglês, nesse período de crise eu não só estou conseguindo sustentar a minha casa, como ajudando muitas outras pessoas a transformarem as suas vidas de uma vez por todas também.

 

Assim eu estou passando o legado do Chico adiante.

 

Podendo também ajudar a projetos como o Lar Maná

 

Instituição sem fins lucrativos que acolhe crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade social para onde uma parte da receita do Meu Clube do INGLÊS é diretamente destinada.

 

E sabemos que ainda há muito mais a ser feito.

 

Ainda mais barreiras para ultrapassar.

 

Mas também sabemos que isso é só o começo desse novo conceito de educação.

 

Sem paredes.

 

Sem teto.

 

Sem limites.

 

É graças a esses recursos que eu não tive quando comecei, mas que se você está podendo me ouvir nesse exato momento, é porque eles estão ao seu alcance!

 

Acredite, com um Smartphone e acesso à internet você já tem muito mais recursos do que eu jamais sonharia ter no começo dessa minha jornada.

 

E graças a esses recursos eu também pude ter acesso a uma infinidade de outros conteúdos, técnicas e ferramentas com as quais eu já pude ajudar milhares de pessoas como você a dar um passo além.

 

E contar com o apoio de grandes autoridades da educação à distância no Brasil.

 

 

THANK YOU SO MUCH

 

 

Nesse mundo da educação à distância, pude (e ainda tenho podido) contar com pessoas que estão abrindo espaço para que muitos outros, como você e eu, possam ter o seu espaço.

 

Como o Mazaroto Santos da PonteLab – presente em cada engrenagem do maior sistema de ensino à distância do Brasil.

 

 

 

Murilo Gun e Bruno Romano da Keep Learning School: Escola Online de Criatividade

 

 

 

Cristian Barbosa da Tríade do Tempo: Treinamentos online de Produtividade

 

 

 

Renato Moreira do Inglês do Jerry – Curso Online de Inglês:

 

 

 

Samuel Pereira do Segredos da Audiência – Cursos online de presença digital:

 

 

 

Fagner Borges do Freesider – Curso online de liberdade digital:

 

 

 

Denis Bai da Tube Academy – Curso online para uso profissional do YouTube:

 

 

 

Felipe Pereira do Digaí – Cursos online de Marketing e Empreendedorismo Digital:

 

 

 

 

Alexandre Henrique – Empreendedorismo Social:

 

 

 

Pedro Quintanilha do Acelerador Digital – Curso online de como aceleração de projetos.

 

 

Ouça a seguir uma entrevista que o Pedro Quintanilha nos concedeu (para o projeto Café com T-udo) sobre como podemos aproveitar o potencial da produção de conteúdo para a internet, usando o próprio podcast como mídia sustentável:

 

 

Claro que esses são apenas alguns, entre muitos… Muitos outros que direta ou indiretamente sei que tenho podido contar nessa empreitada.

 

E agora, você também pode contar.

 

 

O PODER ESTÁ NAS SUAS MÃOS

 

 

 

Ter acesso a conhecimento e informações que estão a anos luz de distância da maioria absoluta dos brasileiros;

 

Compreender avisos importantes e evitar transtornos por meio de conteúdo sem tradução;

 

Não depender que terceiros passem para Português o que você pode ir buscar direto da fonte;

 

Mais opções de entretenimento e domínio de assuntos e hobbies do seu interesse;

 

Mais opções de atuação e reconhecimento no mercado de trabalho;

 

Dominar um idioma universal no qual se encontra a maioria dos manuais e recursos tecnológicos;

 

Mais oportunidades de sair do país e economizar uma fortuna que seria necessária para pagar guias turísticos e intérpretes;

 

Não desperdiçar a oportunidade, entender e ser compreendido por pessoas de outros lugares e culturas;

 

Possibilidade de implementação de ideias e negócios que já tem resultados validados fora do Brasil;

 

Poder adquirir produtos por preços menores no mercado internacional;

 

Abranger seus conhecimentos em áreas diversas cujo conteúdo pode ser normalmente encontrado em Inglês;

 

Aprender de forma descomplicada e divertida;

 

Passar o legado adiante…

 

Tudo isso, não só é possível, como é extremamente gratificante.

 

Quando, independente das circunstâncias em que vive agora, você tenha um objetivo claro de onde quer chegar e se mover nessa direção fazendo uso do que você tem.

 

Pois quando você faz uso do que você tem as outras coisas vêm como consequência.

 

Mesmo que você não consiga se imaginar falando Inglês fluente e livre de um sistema que tem nos oprimido por várias gerações, eu quero te fazer um convite.

 

Entre agora, você também para o Meu Clube do INGLÊS e se permita ter a chance de testemunhar outra perspectiva.

 

Conheça uma outra realidade e outras pessoas que estão dispostas a ajudar você a sair de onde está agora em direção aonde ao infinito, e além.

 

 

 

 

 

Não.

 

Você não está sozinho.

 

Assim como eu também não estou.

 

 

CADA PESSOA FAZ A DIFERENÇA

 

 

Para que o Meu Clube do INGLÊS esteja no ar hoje, há pessoas que estão se dedicando todos os dias a essa causa.

 

Pessoas que estão botando a mão na massa para que tudo isso seja possível.

 

Como James e Cristina Madden (diretamente dos Estados Unidos): professores e fundadores da American Family Language Academy, de onde saiu o projeto do Meu Clube do INGLÊS. Um casal que abraçou servir em tempo integral a uma causa muito maior, e forneceu toda a estrutura necessária para a formação dessa escola.

 

 

Estão até hoje, sendo os nossos correspondentes americanos. Ajudando pessoas principalmente com sua cultura e conversação.

 

 

John Wallace (dos Estados Unidos para o mundo): professor e correspondente ao redor do mundo.

 

 

Viaja pelo mundo ajudando pessoas das mais diversas culturas tendo o Brasil como roteiro garantido pondo a mão na obra, além de dar palestras e treinamentos.

 

 

Tuany Oliveira: professora e coordenadora. Que muito me ajuda a botar ordem na casa.

 

 

Com bastante carisma e irreverência, sabe a hora de falar (e agir) sério, sendo o nosso pé no chão e facilitadora em meio a planilhas e programações que, se dependessem exclusivamente de mim, não teriam permitido que eu produzisse metade do que sustenta o sistema do Meu Clube do INGLÊS.

 

 

Ruan Cunha: Professor e suporte no sucesso dos nossos alunos. Sempre acompanhando bem de perto o desenvolvimento individual e personalizado de cada um, é primordial no constante estímulo do interesse para que os objetivos sejam alcançados… E a peteca não caia.

 

 

Também é o nosso McGyver no suporte tecnológico interno.

 

 

Jorge Eduardo: VideoMaker e Video Editor dos nossos vídeos para o YouTube. Então, se eu pareço legal nos vídeos, pode agradecer a ele.

 

Um cara focado capaz de transformar um simples vídeo feito pelo celular, em uma obra audiovisual de alta qualidade!

 

 

Cristiana Ferreira: Produção e apoio técnico. Ela é quem fica por trás das câmeras, mantendo tudo no ar.

 

Filmagem, fotografia, edição interna (área de membros), e todos os etceras. A pessoa nos bastidores que garante que a experiência dos alunos seja a melhor possível no consumo de nossos conteúdos.

 

 

Fábio Evangelista: Assistente de comunicação. De aluno a colaborador.

 

Começou estudando conosco através do nosso conteúdo gratuito, até passar para a nossa área de membros (passando a ter o nosso acompanhamento direto) até ser absorvido pela nossa equipe e, hoje, ajudar-nos na gestão das redes sociais e estratégias de comunicação. Possibilitando mais presença e alcance do Meu Clube do INGLÊS mundo afora.

 

E você?

 

Também quer fazer a diferença?

 

Você também acredita que com o poder do Inglês e acesso à internet, não há nada que impeça você de conseguir qualquer coisa?

 

Então entre agora mesmo no Meu Clube do INGLÊS e venha comigo.

 

Para fora da Matrix.